quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Chebika

Dois oásis fantásticos no meio do deserto e depois de atravessar as imponentes montanhas do Atlas de 4x4. E a Argélia é já ali ao lado.

Chebika é conhecida por ter A Gradne Cascata do Deserto porque este oásis tem, de facto, uma grande cascata, impressionante, com água muito fresca e vegetação. Foi entreposto romano e refugio do povo berber mas hoje não tem nada para oferecer além da sua beleza.

Não existem palavras para descrever a sensação e a beleza deste local no entanto e aconselho que não vão em excursão porque tudo se apressa. Em 2006 podia-se perfeitamente alugar um carro e andar por este magnifico país em segurança, se isso ainda for possível devido as mudanças politicas não pensem duas vezes.






Palmeiral

Que belo passeio de charrete pelo cerca de 1000 hectares com mais de 400 000 árvores, sobretudo tamareiras.






Passeio de Camelo

Passeio curto mas barato dá para saborear e imaginar o que será penetrar nas profundezas deste vasto deserto que é o Sahara. A areia fina impressionou e o passeio foi fantástico, calmo e suave, com uma temperatura amena para o deserto, não fosse estarmos no Inverno. 

O silêncio e Paz do momento são para aproveitar porque vão durar pouco.

Passado pouco tempo apareceram pessoas a cavalo, eram os beduínos ou habitantes das terras abertas. São um povo nómada e aparecem cada vez que existem estas "incursões" pelo deserto dos turistas para, a troco de dinheiro, tirarem fotos e convidar a andar de cavalo nas dunas

O passeio a camelo foi feito por tuaregues, um povo da etnia da região do Sahara e com língua própria. Tuaregues significa Abandonados de Deus.



Mesquita de Zitouna

Mesquita de Ez-Zitouna ("Mesquita da Oliveira") é o principal centro religioso da cidade. 
A medina foi construída no século VII e foi uma das cidades mais importantes do mundo entre os séculos XII e XVI.

Está fechada ao público em geral, pelo que os turistas não podem entrar (as pesquisas que fiz confirmam).




Museu do Passado

Um pequeno Museu escondido nas ruas de Sousse que relata o quotidiano do povo tunisino no passado  Pelo que entendi não tem muitas visitas e o Sr. ficou tão encantado em nos ver que tivemos direito a uma visita guiada.






segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Termas de Cartago

Foi um dos dias mais loucos e divertidos da viagem. Porquê? Porque quando lá chegámos e mal saímos da camioneta começou a chover tanto, mas tanto, que toda a gente fugiu para a camioneta mas eu, o meu irmão e a minha mãe fomos ver as ruínas - afinal estávamos ali para isso.

A brincadeira era que se aquilo tinha sido umas termas, nada melhor do que visitar o local com água porque ficávamos com uma visão mais esclarecedora. Quando chegámos há camioneta estava toda a gente furiosa porque não se podiam ir embora sem nós (que estávamos a cumprir o tempo de visita) e nós riamos, riamos, todos molhados e ainda gozámos com a situação.

As Termas de Cartago também são chamadas de Termas Antonino Pio que foi o quarto dos cinco bons imperadores (138 a 161). Cartago foi uma grande potência na Antiguidade e disputou com Roma o controle do Mar Mediterrâneo. Foi desta disputa que tiveram origem as Guerras Púnicas onde Cartago foi destruída após a vitória de Roma.




Sidi Bou Said

Tenho de lá voltar num dia menos cinzento. foi maravilhoso sentar-me numa esplanada a beber um chá com pinhões.

Sidi é encantadora e fotogénica, merece ser vista noutro tom.



Museu do Bardo

Não vão a este Museu numa excursão ou com pressa. Quando me apercebi que mal tinha entrado já ia sair desatei a filmar tudo como se o Mundo fosse acabar amanhã e nem 1/3 do Museu consegui ver.

Foi a visita que mais frustrada me deixou por ser tão curta, deixou-me literalmente em lágrimas á porta do Museu porque eu queria ficar ali.

A variedade de artefactos arqueológicos, jóias e mosaicos originais é estonteante, aliás este museu tem a colecção de mosaicos mais importante de todo o mundo e de diferentes épocas mas mais centrado no séc II ao IV.

A quantidade e qualidade de obras exposta é delirante e vão desde uma peça mais antiga com mais de 40.000 anos a estátuas originais romanas.



sexta-feira, 9 de novembro de 2012

O Povo Troglodita

Habitações trogloditas. São habitações escavadas nas escarpas dos montes, ficando praticamente camufladas. Acabam por ser utilizadas tanto como abrigo contra o frio e o calor intenso da região e também contra ataques inimigos.



Chott El Jerid

Lago Salgado que atravessa o país de leste à oeste, permanece a maior parte do tempo seco na sua superfície. No entanto, a um metro de profundidade, há água salgada que aflora à superfície em caso de chuva. Há muitos pontos de areia movediça e lendas de caravanas inteiras desaparecendo ao tentar atravessar esse lago.


Anfiteatro El Jem

É grande, maravilhoso e indescritível  Se fecharmos os olhos e anos concentrarmos, quando os abrirmos, todas as imagens dos filmes que vimos tornam-se realidade mas com outros rostos - rostos reais.

Este circo romano tem essa particularidade, está vivo. Descemos ás catacumbas e estão lá os leões, as pessoas.  Nas bancadas ouvimos os aplausos e no centro a arena sentimos o guerrear, a luta o sofrimento. 
Foi um dos raros locais, de todos, por onde passei em que senti e vivi momentos de outras épocas. Na altura foi assustador porque nunca tido ido a lado nenhum e este foi a minha primeira viagem fora de Portugal.

O circo está muito bem conservado e considerado o primeiro edifício com este tamanho no norte de África e o sexto em todo o Império Romano. Foi construído pelo imperador Gordiano do século III acolheu espectáculos sangrentos entre gladiadores e feras e, como não, entre feras e cristãos. Tem capacidade para trinta mil espectadores Debaixo de sua construção, encontram-se duas galerias em forma de cruz com abóbadas onde se albergavam as feras, combatentes e condenados. O Coliseu continua firme ao passo do tempo.

É imprescindível ir á Tunísia e ir conhecer o circo. Tive um ponto a meu favor que foi ir no Inverno mas num dia de bom tempo e pode desfrutar e respirar a atmosfera.



Casa de Sultão

Ás voltas na cidade de Sousse encontramos, sem querer, a casa de um antigo sultão. O dono ainda está vivo mas mudou-se para outro local com mais conforto e moderno. 

Para encontrar a casa basta andar, do lado de dentro das muralhas junto ás mesmas. não me lembro de muitos pormenores do que foi explicado mas soube bem ver como viviam e proteger do mau tempo.





Ribat

O Ribat (mosteiro-fortaleza). Da construção original da primeira muralha resta apenas a Torre de Khalef, com cerca de 30 metros de altura.

O Ribat foi construído ao lado da Grande Mesquita, que não se encontra no coração da cidade mas num local estratégico junto á costa porque foi construída com finalidade defensiva.  O ribat é uma espécie de fortaleza, na altura conduzida por monges guerreiros. Foi construído no início do século IX, substituindo uma antiga igreja cristã, destruída pelos vândalos e reedificada pelos bizantinos.

O Ribat ostenta uma arquitectura majestosa, mas austera, de acordo com a tradição medieval. Do alto da torre – a subida é íngreme, mas vale o esforço – obtém-se uma vista soberba sobre as construções desiguais e as dezenas de cúpulas em tons pastel dos quarteirões antigos de Sousse

Sousse atraiu por esse motivo fenícios, romanos, bizantinos e árabes, que aí deixaram um importante legado arquitectónico. Hoje é a terceira cidade da Tunísia, a seguir a Tunes e a Sfax,