quarta-feira, 6 de janeiro de 2016

Mosteiro Pitões das Júnias

Não se sabe ao certo quando foi fundado mas terá nascido no século IX quando os eremitas se estabeleceram na região de Pitões da Júnias.

Durante a Guerra da Restauração, um ataque do exército espanhol, acabou com um incêndio que deixou o mosteiro destruído. Após a sua recuperação no século XVIII acaba abandonado em 1834 com a extinção da ordens religiosas. Outro incêndio destrói-o e deixa apenas a igreja.

Chuviscava e eu pensava que íamos perder o dia e a viagem porque a ideia era não voltar onde já tínhamos ido independente do que teria acontecido, tantas voltas e contra voltas maçavam-nos e ao Diogo também, mesmo assim com a determinação do Luís lá fomos porque afinal se o Diogo tinha equipamento para a chuva tinha de o usar.

Quando lá chegámos temi que apesar da pouca chuvinha que caía não fossemos capazes de descer o caminho molhado e de pedras lisas, da estrada não se via o Mosteiro, não se via ninguém (salvo 2 espanholas que passaram por nós para se irem embora). Não se sabia o perigo que podia representar aquelas descida com o Diogo... 
- Vamos andar um pouco e logo se vê!!! - diz o Luís.

Ele foi na frente e eu calmamente caminhava com o Diogo de pulinho em pulinho, de pedrinha em pedrinha. Aquilo era giro para ele até á altura em vi a descida e lá ao fundo... nada, nem o Luís. 

Vi que as pedras não escorregavam mas mesmo assim ia escolhendo o caminho para ser fácil para o Diogo. A descida deve ter demorado tantas horas como a subida porque aquilo deve ter sido dos maiores divertimentos que ele teve, tal o tempo que demorou e o também o esforço que exigiu dele que adorou pular de pedra em pedra. 

Ao fundo o Luís chama, ainda temos muito para descer mas tempo não falta e o pior é se começar a cair uma valente "carga de água". Tivemos sorte e o Diogo divertiu-se imenso nas poças junto ao Mosteiro, no Mosteiro e na ponte de onde se ouvia a água gritar de tão forte que era a corrente. Foi complicado conseguir tirá-lo de um sitio tão simples mas com tantas coisas divertidas para ele fazer - pular na água, pular na água, pular na água!!! 







7 de Dezembro de 2015



Sem comentários:

Enviar um comentário